Teste seus conhecimentos financeiros com 5 questões surpreendentes (sem lápis e papel)

Escrito por : <b>Hirbis Girolli</b>

Escrito por : Hirbis Girolli

Junte-se à comunidade de pessoas que estão no controle de suas finanças e receba nossos conteúdos inéditos

Existe um pequeno conjunto de perguntas para que você teste seus conhecimentos financeiros na prática.

Não se trata de examinar o seu domínio de uma longa lista de termos técnicos sobre renda fixa, renda variável ou fundos de investimento.

São conhecimentos mais básicos para detectar se você consegue raciocinar sobre finanças, em situações práticas, aplicando os conceitos de juros, inflação, risco e diversificação.

Para verificar se você está bem preparado, é necessário que responda relativamente rápido, sem pensar muito, sem fazer contas. Não é um teste de cálculo. Ele está mais para um teste de raciocínio lógico.

Um exemplo comparativo: você não precisa saber a temperatura exata que a água e o álcool evaporam. Mas, em princípio, para sua vida prática, é importante que você entenda que o álcool evapora bem mais rápido do que a água, em condições normais.

É o típico conhecimento básico.

Teste seus conhecimentos financeiros: por que é importante fazer isso?

É difícil pensar em planos de aposentadoria sem pensar no quanto de dinheiro você precisa juntar para ter uma boa renda complementar à previdência social, que está cada vez menor.

Para atingirmos o quinto estágio da independência financeira, e não dependermos mais da renda do trabalho, é necessário ter bons hábitos financeiros. Melhor ainda se estes bons hábitos forem derivados de um método, pois diminui a chance de falhas.

Mas incorporar e seguir tais hábitos recomendados por um método, como por exemplo o das 4 bases, é até simples. Mas não é fácil.

Logo, as dificuldades ficam menores se você tiver um conjunto de conhecimentos financeiros que lhe permita tomar as decisões corretas no dia a dia.

Antes do teste dos seus conhecimentos financeiros, entenda suas preferências

Conhece a ti mesmo é uma velha recomendação da filosofia. E aqui não é diferente. Antes de testar seus conhecimentos financeiros sobre o que está fora: juros, inflação etc., é importante saber se você conhece suas necessidades e preferências, e como elas estarão no futuro.

Sim, isso não é simples. É difícil antecipar preços ou necessidades futuras. No entanto, existem alguns pequenos atalhos para auxiliar no planejamento de uma aposentadoria sem estresse.

Primeiro, você precisa saber que valor ou porcentagem de sua renda atual seria suficiente para você viver depois de se aposentar. Ou dito de outra forma: para que você viva sem depender da renda do trabalho. 50% é suficiente ou você precisará de mais?

Para descobrir isso, pense sobre o seu padrão de gastos agora e tente imaginar esse padrão no futuro.

Alguns custos podem cair. Outros, por sua vez, podem aumentar.

As 5 grandes questões

Tendo entendido melhor sua realidade pessoal, você precisará aumentar seu conhecimento financeiro para melhorar suas chances de sucesso.

Então, as 5 questões funcionam como uma forma quase instantânea de saber como você está. Se você conseguir acertar pelo menos 3, ou 60%, você fez o suficiente para passar de fase 😊

Se acertar 4, muito bom, você já está na frente da maioria da população, por incrível que pareça.

Mas ter esses índices de acerto não é condição suficiente para ter uma vida financeira de sucesso. Significa que você tem boa parte dos conhecimentos básicos necessários e está mais pronto para adquirir outros conhecimentos mais sofisticados.

Então, tome um minuto para anotar suas respostas para as perguntas. Lembre-se: são perguntas que você precisa saber responder rápido, sem consultas ou contas no papel.

  1. A primeira pergunta é: suponha que você tivesse R$ 1.000,00 rendendo a uma taxa de dois por cento de juros ao ano. Quanto dinheiro você teria depois de cinco anos? Responda assim: “certamente eu teria mais do que _______”.
  2. Para a segunda questão, imagine que a taxa de juros em seus investimentos seja de um por cento no ano. Por outro lado, a inflação foi de dois por cento naquele mesmo ano. Ao final deste ano em questão, você seria capaz de comprar mais, menos ou a mesma quantidade de mercadorias?
  3. Comprar ações de uma única empresa geralmente é mais seguro do que aplicar em um fundo de investimento”. Isso é verdadeiro ou falso?
  4. A quarta também é de verdadeiro ou falso: “um financiamento imobiliário de 15 anos geralmente requer pagamentos mensais mais altos do que um de 30 anos, considerando o mesmo valor financiado. Mas o total de juros pagos pelo devedor ao longo do tempo do empréstimo tende a ser menor em 15 do que 30 anos.
  5. E a última pergunta: se as taxas de juros da economia caem, como está acontecendo agora no Brasil e em vários países, o que acontece com o preço dos títulos de renda fixa pré-fixados?

E aí? Como você se saiu. Acha que mandou bem?

Confira a seguir as respostas!

  1. Certamente eu terei mais do R$ 1.100,00 devido ao efeito dos juros compostos.
  2. Menos, pois o seu poder de compra real terá diminuído.
  3. Falso, porque, em geral, ao comprar uma única ação você está concentrando risco. Por outro lado, ao investir em um fundo, você está, em princípio, diluindo o seu risco em diferentes ativos.
  4. Verdadeiro. Quanto menor for o prazo de quitação de um financiamento, menor tende a ser o peso dos juros no montante total pago.
  5. O preço desses títulos subirá porque os investidores vão procurar mais estes papeis, que estão com juros melhores, pois as taxas deles foram fixadas antes da queda.

Uma vez que você possa responder a maior parte dessas perguntas corretamente, você será um planejador de finanças e aposentadoria mais preparado.

A liberdade financeira em relação ao trabalho – ou simplesmente aposentadoria, caso você prefira chamar assim – depende, cada vez mais, de planejamento consistente e educação financeira contínua.

Conteúdo extra: nunca tivemos tanta liberdade de escolha (e tantas formas de aumentar nossos conhecimentos financeiros)

Se você queria saber mais sobre o teste dos seus conhecimentos financeiros, ok. Pode parar por aqui.

Mas quero pedir sua licença para realizar algumas reflexões extras que podem ser úteis para você.

Quando você conhece alguém que te agrada, é comum querer saber todo tipo de coisa sobre essa pessoa, de onde ela trabalha até qual música ela gosta.

Curiosamente, mostramos consideravelmente menos curiosidade quando se trata de nós mesmos.

Se você quer moldar sua vida positivamente, é bom começar com a pergunta: “Quem sou eu?”

Como a civilização humana avançou, esta questão tornou-se cada vez mais importante. Durante a maior parte da história, a vida foi curta e dominada por lutas básicas por comida e abrigo. Hoje, essas lutas são cada vez menos problemáticas. Em vez disso, podemos esperar viver mais e ter mais segurança do que jamais tivemos.

Por causa disso, estamos mais livres para moldar nossas vidas com base em nosso senso de identidade e valores mantidos. Mas antes que possamos fazer isso, precisamos saber quem somos, do que verdadeiramente gostamos, ou que tipo de vida queremos ter – o que pode ser um verdadeiro desafio.

O aumento da responsabilidade individual

Historicamente, os papéis tradicionais do status familiar ou social herdados ainda moldam a identidade de uma pessoa. Mas a sociedade continua mudando e evoluindo, tornando-se cada vez mais dinâmica, e tais pressões não são mais tão relevantes.

Agora muitas pessoas podem construir uma vida que corresponda aos seus valores individuais, desejos e ambições.

Logo, é essencial que você crie uma trajetória específica que se adapte a quem você é. O mundo moderno está pressionando as pessoas a assumirem mais responsabilidades individuais, tornando a experimentação na vida cotidiana uma atividade crucial.

Existem milhões de coisas que você pode fazer com sua vida, e explorar diferentes opções é a única maneira de descobrir o que funciona para você e o que não funciona.

A perspectiva de vivermos 100 anos ou mais oferece mais liberdade e mais possibilidades, mas também apresenta mais desafios. Fazer suas próprias escolhas e encontrar sua verdadeira identidade o ajudará a construir uma vida que aproveite ao máximo seus anos extras no mundo.

Para tirar o máximo proveito de sua vida, você precisa saber quem você é e desenvolver planos que funcionem para você.

Hirbis Girolli

Hirbis Girolli

Gestor de Desenvolvimento da Plataforma MAI digital

Comentários

    Artigos Relacionados